Superando uma Lesão

Superando uma Lesão

Psicólogo do Esporte

Paulo Penha

@psicologodoesporte.paulopenha

O tema de hoje é sobre o trauma no esporte, a algum tempo atrás eu estive em um congresso de traumatologia esportiva palestrando justamente sobre o medo do retorno ao esporte.  O atleta que está em um desenvolvimento ascendente em sua carreira e por algum motivo em um treino ou competição acaba sofrendo algum tipo de trauma, lesão, fratura, etc, e se vê em uma situação onde precisa se afastar por um determinado tempo.

Por ficar imobilizado, engessado, limitado de alguma forma, se vê parado, sem treinar, começa a ficar muito tenso, triste porque acabou aquela rotina que ele tinha, e vem os pensamentos de que está ficando para trás em relação aos outros e que que não conseguirá mais voltar ao seu rendimento anterior.

Quando termina o processo de cura e começa a fase de recuperação da lesão, o atleta se vê sofrendo para realizar movimentos básicos que antes era tão normais, tão simples e que ele nem mesmo parava para perceber que os estava fazendo. Nessa fase ele se vê aprisionado em movimentos técnicos, muitas vezes simples, chatos e que devem ser repetidos “infinitas” vezes para se reabilitar.

Ele se sente ansioso, triste, deprimido, com raiva e tantos outros sentimentos nesse período, pois em muitos momentos ele pode pensar que já que está tão difícil fazer certos movimentos simples, imagina quando voltar ao treino normal. É nessa hora que ele se vê em desespero, o medo e a dúvida se irá realmente conseguir se recuperar rapidamente tomam conta, e caso o atleta e/ou praticante de atividade física entre nessa fase, o ideal é que seja realizado um acompanhamento com um Psicólogo capacitado.

O trabalho deverá ser além do apoio emocional ao atleta nessa fase, desenvolver novas habilidades para potencializar o processo de recuperação, além disso deverá ser organizado um cronograma de cada etapa a ser cumprida, e o que pode e deve esperar em cada uma, entendendo o seu papel e responsabilidade para que seja bem sucedido

Durante o processo o atleta vai transformando o seu medo em autoestima e confiança, novamente acreditando em si, e lidando com o trauma como um aprendizado em sua história para seu crescimento profissional. 

Minha sugestão para o atleta e/ou praticante de atividade física que nesse momento lê essa coluna e se identifica com a situação, é que você aproveite esse momento de recuperação pra fazer tudo o que é necessário no tempo que foi estipulado pelos especialistas que te acompanham, não adianta tentar antecipar o retorno as suas atividades, tem que respeitar o processo, se você respeitar, você conseguirá ter uma recuperação muito boa, muitas vezes se consegue ter uma performance superior após períodos de lesão, pois emocionalmente a pessoa estará com certeza muito mais forte. 

Pessoal essa é a dica, qualquer dúvida ou comentário estou à disposição

Grande abraço Paulo Penha

Para qualquer dúvida, Paulo Penha está à disposição por meio do Whatsapp (41)99108-4243, www.psiccom.com.

Colunistas

Profissional de Educação Física

Daniel Leite Portella

  • Educador Físico
  • Ensino em saúde com ênfase na prática reflexiva
  • Área da educação física com ênfase em exercício físico aplicado à saúde e ao esporte.

Matérias

Psicólogo do Esporte

Paulo Penha

CRP: 08/1313-9
  • Psicólogo, Fisiologista do Exercício, Psicólogo do Esporte, Psicopedagogo, Mestre em Distúrbios da Comunicação
  • Sócio-proprietário da Psiccom Saúde Integral (PSICCOM) onde também é Diretor do Setor de Saúde Esportiva, Vice-presidente da Associação de Psicologia do Esporte do Paraná (APEP)
  • Coordenador do Grupo de Estudos em Ciências do Esporte (GECE), Integrante da Comissão de Psicologia do Esporte do Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-08), Professor em cursos de pós-graduação, Palestrante e escritor.
  • Atua em clubes, academias e no consultório com atletas amadores, profissionais e olímpicos.

Matérias

Médico

Fernando Antonio Gaya Soléra

  • Membro da Comissão de Direito Desportivo da OAB – SP.
    Médico DCO FIFA
  • Médico DCO CONMEBOL
  • Membro da Câmara Técnica de Medicina do Esporte do CFM
alex

Nutricionista Esportivo

Alexsander Whitake

  • Trabalhou secretaria de esportes de São Paulo nutricionista: projeto futuro (atletismo, judô , vôlei)
  • Trabalha com nutricionista comitê Paralímpico brasileiro
  • Bi campeão mundial de levantamento de peso paralímpico
  • Campeão parapan americano
    20 anos consecutivos campeão brasileiro